Descrição da utilização de centro de usinagem com técnica MQL em substituição ao sistema convencional: era da sustentabilidade.

  • Allan Alves Castellanelli
  • Eduardo Sette Germano
  • Vagner Mariano Francisco

Resumo

RESUMO:
O crescimento da fabricação de peças através da utilização dos processos de usinagem intensificou, nos últimos anos, a busca por melhorias de maquinários aliadas a ideais sustentáveis, preocupação também crescente na área industrial. O desenvolvimento de novos sistemas capazes de aprimorar as características das peças usinadas sem danificar ferramentas, prejudicar os resultados socioeconômicos e nem influenciar na saúde do colaborador, tornou-se primordial na engenharia de fabricação. A técnica de Mínima Quantidade de Lubrificação (MQL) utilizada em um centro de usinagem surgiu como alternativa à utilização do sistema convencional, que utiliza grande quantidade de óleo na fabricação de peças e gera cavacos inundados de difícil descarte. Com isso, este trabalho teve como objetivo descrever os resultados encontrados na implantação do sistema MQL em uma empresa, com foco nos três pilares da sustentabilidade (econômico, ambiental e social), pontuando as vantagens e desvantagens da utilização de tal técnica em comparação com o sistema convencional de usinagem. As variáveis observadas foram a vida útil da ferramenta de corte, quantidade e tipo de fluido de corte utilizado, dispersão de poluentes durante fabricação das peças em relação à saúde dos colaboradores e impacto ambiental direcionado à questão da sustentabilidade. Após descrição de ambos os processos, observou-se que o emprego do sistema MQL, em substituição ao método convencional de usinagem, sobressaltou positivamente nos quesitos estudados, permitindo, ao mesmo tempo, proteção ambiental e continuidade no desempenho fabril, sem alterar o tempo otimizado na produção de peças.
Palavras-chave:

Publicado
2021-09-11