Terapias biológicas para o tratamento de portadores de diabetes mellitus tipo I.

  • Larissa Daiane Da Silva Callerani

Resumo

RESUMO:
A diabetes mellitus (DM) é uma doença metabólica caracterizada por hiperglicemia resultante de falhas na secreção de insulina e/ou na ação da insulina. Estão envolvidos vários processos patogênicos desde a destruição autoimune das células beta pancreáticas resultando em deficiência de insulina, até alterações que resultam na resistência da ação da insulina. A diabetes tipo 1 é uma destruição das células beta que leva a deficiência absoluta da produção de insulina. Essa destruição é causada por um processo autoimune desencadeado por autoanticorpo como anticarboxilase, anti-ilhota e anti-insulina. Já a diabetes tipo 2 é decorrente da resistência a insulina, onde se caracteriza por genética, obesidade e pessoas acima de 45 anos. Essa alteração pode levar a resistência a ação da insulina nos receptores e deficiência na secreção da própria, sendo necessário a administração de insulina externa. Diversos tratamentos e terapias buscam reverter esse quadro. As terapias biológicas atuam por meio da inibição da ativação de células apresentadoras de antígenos, da proliferação de linfócitos, desvio imunológico e reduzindo células T patogênicas ou bloqueio da atividade de citocinas inflamatórias. Na diabetes não ocorrerá mais a destruição das células beta, resultando em produção de insulina.
Palavra-chave: diabetes mellitus; terapias biológicas; insulina

Publicado
2021-09-15