Uma revisão sobre terapia gênica e seu uso no tratamento de doenças monogênicas

  • Jhennyfer dos Santos Barbosa
  • Mainne dos Santos de Freitas

Resumo

RESUMO:
A terapia gênica consiste em realizar modificações genéticas em células para tratar doenças, com uso de técnicas de DNA recombinantes. Genes defeituosos podem ser alterados para não expressar proteínas defeituosas, responsáveis por determinadas doenças, seja devido às codificações errôneas de proteínas ou por suscetibilidade induzidas por agentes ambientais. Posteriormente, genes são inseridos na célula através de vetores, que são importantes para sua manutenção e expressão. Atualmente, os vetores virais são um dos mais utilizados, devido a sua capacidade de penetrar nas células. A terapia gênica evoluiu consideravelmente desde a década de 1990, quando os pesquisadores fizeram os primeiros ensaios para a introdução do gene responsável pela codificação da enzima adenosina desaminase, crucial para o desenvolvimento do sistema imune. Embora ainda seja um processo em fase experimental, com desenvolvimento de métodos eficazes e seguros na transferência dos genes, existe grande possibilidade de que a terapia gênica venha a ter um grande potencial para eliminar doenças hereditárias e degenerativas. Entretanto, existem algumas intervenções éticas e morais que impedem a terapia gênica de ser produzida e utilizada a fim de obter a sua comercialização em larga escala.
Palavras-Chave: Terapia gênica, transferência gênica e vetores.

Publicado
2021-09-15