O valor formativo da avaliação tradicional dentro da progressão continuada no primeiro ciclo do Ensino Fundamental II

  • Luiz Carlos Silva de Lima

Resumo

RESUMO:
Este trabalho tem como objetivo analisar a função formativa da avaliação
tradicional quantitativa no primeiro ciclo do Ensino Fundamenta II. Debruçandose sobre essa questão, por meio de um levantamento bibliográfico, traçando uma
breve linha histórica da avaliação educacional no mundo até chegar ao Brasil
atual (SOEIRO; AVELINE, 1982). A partir desse ponto, se analisa o surgimento
da avaliação tradicional no Brasil, o seu desenvolvimento no sistema
educacional, a permanência e persistência de seu uso, mesmo dentro de um
ciclo, no qual já não se justifica enquanto necessária, visto que se trata de um
período no qual a reprovação é inexistente. Também será instrumento dessa
análise as diversas possibilidades formativas de avaliação que podem tanto
substituir em alguns casos, como coexistir com a avaliação conhecida como
tradicional em outros (PERRENOUD,1999). A presente pesquisa pretende
contribuir com a reflexão que se espera relacionada aos instrumentos de
avalição normativos e sua aplicabilidade com base em análise do professor que
trabalhará, tanto com o perfil geral da sala de aula, como também com o perfil
individual de cada aluno, favorecendo, portanto, a formação sócio educacional
do educando, inserido no primeiro ciclo do Ensino Fundamental II.
Palavras-chave: Avaliação. Ciclo educacional. Avaliação tradicional. Avaliação
formativa. Progressão continuada.

Publicado
2021-10-18